ARQUERIA


ESTE FORUM TEM O OBJETIVO DE REUNIR OS ADEPTOS DO TIRO COM ARCO E FLECHA
 
InícioInício  CalendárioCalendário  FAQFAQ  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 "UMA POPULAÇÃO ARMADA É UMA POLULAÇÃO VIOLENTA" SERÁ?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
ARQUEIRO NEGRO
Admin
Admin
avatar

Mensagens : 1042
Data de inscrição : 30/01/2011

MensagemAssunto: "UMA POPULAÇÃO ARMADA É UMA POLULAÇÃO VIOLENTA" SERÁ?   Sex Mar 25, 2011 7:28 pm

Durante o regime nazista, na Alemanha de Hitler, tornou-se célebre o pensamento historicamente atribuído ao então ministro da propaganda, Joseph Goebbels, de que "uma mentira dita mil vezes torna-se verdade". Muitos anos depois, não obstante todo o horror que o nazismo causa ao ser lembrado, lamenta-se que governantes da atualidade pareçam nutrir tanta admiração pelo pensamento e pelas táticas de manipulação de Goebbels.

No final do último mês de fevereiro, o Ministério da Justiça divulgou o "Mapa da Violência 2011", fruto de um estudo realizado em parceria com o Instituto Sangari. Os resultados foram alarmantes, apontando que o Brasil voltou a ter taxas de homicídio superiores a cinquenta mil mortos por ano (países em guerra têm taxas menores) e que, paradoxalmente para a ideologia governamental, a região de maior crescimento econômico e de menor quantidade de armas legais dentre sua população – o Nordeste – teve o maior crescimento nos índices de homicídio no período pesquisado.

Surpreendentemente (ou não), ao invés de analisar os dados e buscar a efetiva causa do que está errado, o Ministério da Justiça, pelo titular da pasta, preferiu retomar o surrado e falido discurso do desarmamento civil, anunciando, pela enésima vez, o relançamento das fracassadas campanhas recolhedoras de armas, com a justificativa de que "uma sociedade armada é uma sociedade violenta".

Será que o senhor Ministro sequer leu as conclusões do estudo que estava divulgando?

A par da infeliz afirmação que se fez, os resultados do Mapa da Violência 2011 apontam exatamente o oposto. Repita-se: a região onde a violência mais cresceu foi o Nordeste e é nela que, segundo dados da própria Polícia Federal, se tem a menor quantidade de armas legalmente em poder da população civil. Então, como defender a lógica governamental na relação armas legais e violência?

Com efeito, o tamanho do despropósito da assertiva ministerial se evidencia cabalmente com exemplos mundiais. Suíça e Estados Unidos, apenas para citar dois países que estão em foco recente na mídia, são infinitamente mais armados que o Brasil e possuem taxas de homicídio muitíssimo inferiores às nossas. Taxas estas, aliás, que nos fariam comemorar um sucesso absoluto na área de segurança pública, caso as pudéssemos alcançar.

Novamente, como explicar que só aqui a razão de proporcionalidade seja inversa?

Na verdade, não é e nunca foi; nem aqui, nem em nenhum outro lugar, bastando que se observe que a "fórmula" baseada no desarmamento da população civil ordeira jamais produziu resultados na redução da criminalidade. Tanto assim que exemplos internacionais faltam aos defensores da tese, os quais, de modo até infame, quando deles necessitam recorrem a países egressos de conflitos internacionais ou guerras civis, únicos nos quais se pode estabelecer, ainda que de forma totalmente fictícia, uma relação direta entre a redução do número de armas (muitas devolvidas em campanhas humanitárias, em troca de alimento) e do número de mortes – isso, óbvio, diante do término do conflito.

Mas o Brasil não está em guerra com qualquer outra nação, tampouco enfrenta uma guerra civil – ao menos declarada -, o que, pela lógica dos exemplos internacionais, o descredencia, por completo, ao sucesso nas políticas desarmamentistas simplórias.

Por outro lado, é necessário se esclarecer que qualquer pesquisa sobre violência é conduzida por parâmetros básicos, a exemplo dos índices de desenvolvimento humano, (IDH), das taxas de desemprego, da história conflitiva recente da nação e da diversidade étnica. Dentre tais fatores, quando o foco é a violência urbana, um dos parâmetros reside, justamente, na possibilidade de defesa da vítima, tomada como fator de redução da criminalidade.

Em outros termos, para fins de pesquisa e estatística, a possibilidade de reação da vítima é um fator de redução da violência - fator este que, no Brasil, insiste-se em se desconsiderar.

Não é preciso muito esforço para se entender tal fenômeno. Uma sociedade desarmada é uma sociedade refém dos criminosos, os quais não são sequer minimamente afetados por campanhas de recolhimento de armas. Claro, as únicas armas que se recolhe em tais campanhas, nas quais se gastam fortunas dos cofres públicos, são as que não oferecem qualquer risco, ou seja, aquelas mantidas pelo cidadão ordeiro, pensando em sua eventual defesa. São, como se diz popularmente, as armas que têm endereço certo, RG, CPF e comprovante de renda.

Uma mera observação mais atenta já põe por terra a tese de que o desarmamento da população civil favorece a redução da violência. Todos os dias as mídias informativas mostram o arsenal dos criminosos que comandam o tráfico de drogas, hoje o nascedouro primordial de todas as demais atividades delituosas. São fuzis, metralhadoras, granadas, pistolas de calibres 9mm, .40 e .45, e, recentemente, forte artilharia com capacidade antiaérea, armas que nunca circularam entre os civis, simplesmente porque a lei brasileira os proíbe de adquiri-las e, antes disso, de que sequer sejam comercializadas.

Portanto, se tais são as armas que equipam a criminalidade, de que adianta tirar de circulação os superados – e até mesmo raquíticos – calibres .38 e .380, o máximo a que pode ter acesso um civil?

A resposta não ultrapassa o óbvio e seria ingenuidade acreditar que nossos governantes não a conheçam. Não são as armas dos civis comuns as responsáveis pela criminalidade, este é o fato.

Entretanto, a cada dia se torna patente que não há qualquer apego governamental aos fatos ou à realidade que eles evidenciam.

A teoria de uma fonte só em que se assentam as políticas públicas na área de segurança parecem não precisar de fatos. O governo quer desarmar a população civil e ponto, não importando sua vontade e que isso, comprovadamente, não tenha qualquer efeito sobre a redução da criminalidade. Afinal, eles, governantes, garantem que tem, e isso já se repete por algo bem perto das mil vezes. Só resta saber com qual real intenção.


* Fabricio Rebelo é bacharel em Direito em Salvador/BA, pesquisador na área de Segurança Pública e coordenador da ONG Movimento Viva Brasil para a Região Nordeste.

Adquirido no site: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

_________________
"PERDOA SEMPRE O TEU INIMIGO, NÃO HÁ NADA QUE O ENFUREÇA MAIS." (Oscar Wilde)
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://arqueiria.forumeiros.com
VRATIL

avatar

Mensagens : 168
Data de inscrição : 06/04/2011

MensagemAssunto: Re: "UMA POPULAÇÃO ARMADA É UMA POLULAÇÃO VIOLENTA" SERÁ?   Dom Abr 15, 2012 1:19 pm

Retirado de: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Desarmamento pelo Mundo: Washington, D.C. (EUA)
Dificilmente uma experiência desarmamentista será tão emblemática como a vivenciada no Distrito de Columbia, estado de Washington, nos EUA. Trata-se de um exemplo verdadeiramente laboratorial, no qual os efeitos do banimento das armas sobre a criminalidade pôde ser claramente acompanhado por largo período de tempo e, o mais relevante, comparado com o panorama social gerado sem a proibição a tais artefatos.

No Distrito de Columbia, a população foi proibida de ter acesso às armas em 1977, numa tentativa de conter a criminalidade, sob o entendimento de que armas com a população significariam mais crimes. À época, o crescimento da criminalidade no local era compatível com os índices do resto dos EUA e o que se esperava era provar que a medida causaria seu decréscimo.

Ledo engano.
Por mais de 25 anos, período em que o banimento vigorou, o que se viu em Washington foi exatamente o contrário. A criminalidade, que crescia em índices compatíveis com os do resto dos EUA, disparou, passando a aumentar numa taxa pelo menos três vezes maior do que a média dos demais estados americanos e alcançando a marca de 35 assassinatos por grupo de 100 mil habitantes, o que chegou a ser sete vezes mais do que a média nacional. O fracasso foi claramente comprovado.

Mas não apenas o crescimento da criminalidade com a proibição das armas pôde ser tão claramente evidenciado pela experiência de Washington D.C. Como numa segunda fase da "experiência", a realidade social pôde também ser observada a partir de 2008, quando a Justiça Americana entendeu ser inconstitucional a proibição às armas no distrito e a revogou.
Logo após a decisão, um verdadeiro pânico tomou conta de liberais antiarmas, espalhado pelo discurso de que, se com a proibição a criminalidade crescia três vezes mais do que no resto dos EUA, sem ela se veria uma carnificina. Outro enorme erro.

Nos dois primeiros anos após a liberação das armas, o que se viu foi uma queda vertiginosa na criminalidade. De acordo com os dados oficiais do próprio FBI, em 2009, primeiro ano após a liberação das armas, os homicídios no estado sofreram redução em 25% (vinte e cinco por cento), um índice extremamente significativo, sobretudo enquanto a média nacional de redução de homicídios foi de apenas 8% (oito por cento), ou seja, menos de 1/3 (um terço). O mesmo fenômeno se repetiu em 2010.

As conclusões são irrefutáveis: na prática, a proibição das armas fez com que os crimes crescessem mais do que a média nacional e sua liberação os fez despencar em ritmo recorde.

Não há melhores argumentos do que os exemplos. O exemplo de Washington é de clareza solar e, para não vê-lo, é necessário fazer-se cego por ideologias e dogmas imutáveis, mas isso, é verdade, extrapola qualquer discussão racional.

Twisted Evil
Voltar ao Topo Ir em baixo
ismael

avatar

Mensagens : 109
Data de inscrição : 11/04/2011
Idade : 34

MensagemAssunto: Re: "UMA POPULAÇÃO ARMADA É UMA POLULAÇÃO VIOLENTA" SERÁ?   Dom Set 30, 2012 1:14 pm

informação alarmante; obrigado por compartilhar;
Voltar ao Topo Ir em baixo
lubisomem01

avatar

Mensagens : 276
Data de inscrição : 28/11/2012
Idade : 62

MensagemAssunto: Re: "UMA POPULAÇÃO ARMADA É UMA POLULAÇÃO VIOLENTA" SERÁ?   Qua Dez 26, 2012 3:35 pm

Infelizmente a mesma coisa acontece com a caça amadora aqui no Brasil...
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://pumaslubisomem.blogspot.com.br/
lubisomem01

avatar

Mensagens : 276
Data de inscrição : 28/11/2012
Idade : 62

MensagemAssunto: Re: "UMA POPULAÇÃO ARMADA É UMA POLULAÇÃO VIOLENTA" SERÁ?   Dom Mar 17, 2013 7:15 pm


interessante a reportagem sobre o fracasso do desarmamento

Para ver a entrevista use o link: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://pumaslubisomem.blogspot.com.br/
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: "UMA POPULAÇÃO ARMADA É UMA POLULAÇÃO VIOLENTA" SERÁ?   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
"UMA POPULAÇÃO ARMADA É UMA POLULAÇÃO VIOLENTA" SERÁ?
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Os nossos vizinhos dizem que estamos 20 anos atras
» Ventoinha ligada o tempo todo
» Abertura as Rolas Turcas em 2012/2013
» [SOLUÇÃO] - Luz de Injeção Acesa / Ventoinha Ligada Direto. Resolvido!
» Elogios à BRM

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
ARQUERIA  :: BATE PAPO - ASSUNTOS QUE FOGEM DO ARQUEIRISMO-
Ir para: